Arquivos de Tags: falocracia

Manifesto contra os desodorantes íntimos

 

Não alterem quimicamente a mais linda e saborosa fruta já produzida pela natureza.

Não alterem quimicamente a mais linda e saborosa fruta já produzida pela natureza.

“Você sabia que existem mais glândulas de suor na área íntima do que em qualquer outra parte do corpo?
Às vezes o suor causa odores e agora você pode evitar que isso aconteça.
[Nome do produto] é o primeiro … que encapsula os agentes causadores de odor antes que ele se desenvolva, para que você fique fresca por mais tempo.”

Esse texto está na embalagem de um desodorante íntimo. Desses que as mulheres se sentem na obrigação de usar. Eis o que gostaria de dizer:

1. Meninas: se fosse ruim não tinha tanta gente correndo atrás. Não é contraditório que a intimidade feminina seja ao mesmo tempo a coisa mais perseguida, valorizada, glamurizada, fetichizada da espécie humana – e ao mesmo tempo um negócio do qual as mulheres têm que sentir vergonha, e esconder por pudor, e tratar como uma desvantagem invencível em relação ao homens? Parece um pouco que essa conversa de que mulheres cheiram mal é um recalque masculino. Meninas: não entrem nessa. Orgulho da vulva, caramba! Continue lendo »

Aviso aos príncipes encantados – as princesas gostam de pegada

Não importa o quanto você sofistique o seu paladar, jamais deixe de ser carnívoro na cama.

Eu fui criado por uma mãe feminista – acho que já contei isso aqui. Lia Relatório Hite na puberdade como quem lê Tio Patinhas. Era a minha Playboy. Assim como Maria Sem Vergonha (de ser mulher) – Mulher, Sexo no Feminino, uma espécie de Livro Vermelho do feminismo brasileiro, escrito por Rosiska Darcy de Oliveira e Mariska Ribeiro e bonitamente ilustrado por Miguel Paiva. Acho que tudo isso me fez bem numa série de aspectos. Creio ter sabido desde sempre como tratar bem uma mulher. Na cama e fora dela. Aprendi a gostar delas, a ver o mundo com os olhos delas, a admirá-las por dentro e por fora.

Claro que quando você tem esse tipo de formação e se torna um homem com sensibilidade feminina, por assim dizer, você começa de leve a esperar algum tipo de reconhecimento por isso. De retribuição. Algum tipo de vantagem competitiva que se apresente na prática na forma de mais e melhores namoradas. Afinal, você é um especialista. Você se instruiu. Você está sempre pronto a celebrar aquela feminilidade que está a sua frente, às vezes esperando só um estímulo bem empregado para desabrochar com toda sua beleza e intensidade. Você sabe (ou acredita que sabe) onde tocar e como tocar e quando tocar. Você sabe conversar com elas, compreendê-las, insuflar sua autoestima, acarinhar seus pontos nevrálgicos. Além disso, como se não bastasse, você cheira bem, é um cara limpinho e macio, que acha que elas deveriam sentir orgulho daquilo que geralmente consideram ser as suas vergonhas. Seu destino não pode ser outro que não se dar muito bem. Continue lendo »